Especialistas defendem ciber disciplina para combater exploração sexual infantil

Especialistas defendem ciber disciplina para combater exploração sexual infantil

Especialistas defendem ciber disciplina para combater exploração sexual infantil

Em audiência pública, especialistas em internet e em segurança defenderam a ciber disciplina como importante ferramenta para combater e prevenir os casos de pedofilia e de exploração sexual na internet. Mediada pela deputada federal Paula Belmonte (Cidadania-DF), a sessão foi realizada nesta terça-feira (29).

“Muitas vezes, os pais não conseguem identificar situações de risco na internet. A criança tem que se sentir em um ambiente seguro para que ela possa denunciar. Por isso, defendemos a educação digital dentro da escola, para que a criança entenda os benefícios e os perigos da internet. Prevenir é sempre o melhor remédio”, afirmou a deputada.

A delegada da Polícia Federal, Rafaella Parca, afirmou que esses crimes estão cada vez mais presentes na internet porque os criminosos acreditam que não vão ser punidos.

“Perfis falsos, técnicas para ficar anônimo, utilização da deepweb [conteúdo não rastreado], são uma falsa sensação de impunidade. Todos os crimes cibernéticos deixam rastros”, afirmou Rafaella.

Na avaliação da especialista em segurança, a prevenção é o caminho para combater o problema. “A melhor solução é a educação digital. Precisamos criar um diálogo acolhedor e, pela nossa experiência de enfrentamento, a escola tem papel fundamental”, salientou a convidada.

O presidente da Safernet [empresa especializada em segurança digital], Thiago Tavares, afirmou que a educação digital precisa seguir determinados critérios para ser eficaz. Segundo ele, é imprescindível capacitar os gestores e implementar uma abordagem lúdica e multidisciplinar, que passe por outras matérias, como história, matemática e física.

Uma das embaixadoras do programa Cidadão Digital da Safernet, Emanuella Maciel, compartilhou um exemplo real de um dos seus alunos. Ela contou que uma participante do programa identificou que estava passando por preconceito racial, comunicou seus colegas e, em uma ação de denúncia conjunta, conseguiu desativar a página. O programa em questão promove educação digital para alunos adolescentes de escolas públicas.

A audiência foi pública foi realizada pela Comissão Externa de Políticas da Primeira Infância, que é coordenada por Paula Belmonte.

A deputada federal é autora do projeto de lei (PL 6.139/2019) que prevê a inclusão da ciber disciplina no currículo escolar para diminuir os casos violência cibernética entre menores na rede.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O que deseja encontrar?