Irmãos Batista e Bertin deveriam estar presos, afirma Paula Belmonte

Irmãos Batista e Bertin deveriam estar presos, afirma Paula Belmonte

Irmãos Batista e Bertin deveriam estar presos, afirma Paula Belmonte

A deputada Paula Belmonte (Cidadania-DF) disse, em reunião da CPI do BNDES, que os irmãos Joesley e Wesley Batista e os irmãos Bertin, Natalino e Silmar Roberto, deveriam estar na prisão por causa de empréstimos irregulares obtidos junto ao banco de desenvolvimento. “Deveriam estar na cadeia porque causaram prejuízo não só ao povo brasileiro, mas também ao BNDES”, disse ela, durante o depoimento de Silmar Bertin.

Respondendo a uma pergunta de Paula Belmonte, Silmar disse que, em 2007, o BNDES passou a ter participação de 27,5% no frigorífico que leva o seu sobrenome. A instituição aportou nada menos que R$ 25,5 bilhões na empresa para que fosse feitos investimentos.
Segundo a deputada, o banco descobriu que a empresa dos irmãos Bertin estava usando o capital aportado nela para pagar dívidas, mas isso não gerou uma atitude mais dura da diretoria da instituição. Uma segunda e última parcela de recursos foi inserida pelo banco nos cofres da companhia em meio à esdrúxula situação.

Paula Belmonte chamou atenção para o fato de o levantamento feito para que o BNDES injetasse dinheiro no frigorífico não ter sido realizado por profissionais especializados nessa tarefa, mas apenas por advogados. Durante o depoimento, Silmar contou também que a companhia selou uma sociedade com José Roberto Bumlay na produção de açúcar e álcool. Bertin assegurou, no entanto, que não havia propina na relação com o banco estatal.

A parlamentar do Cidadania checou com o depoente que, após aberto o capital da Bertin, uma cota de R$ 200 milhões foi vendida por apenas R$ 17 mil, um negócio que ostenta até mesmo assinaturas falsificadas. Silmar Bertin respondeu que entrou na justiça para reverter o prejuízo, mas “não deu em nada”. “Por causa de ilegalidades cometidas no BNDES, muitos ficaram sem emprego, outros passaram fome, jovens entraram na ilegalidade. Bilhões saíram do banco e foram para pessoas que não geraram emprego”, disse a deputada.

Campeãs nacionais
Para a deputada federal, tem que haver punição rigorosa para as empresas que obtiveram empréstimos bilionários facilitados pelo banco de desenvolvimento e que enriqueceram às custas do dinheiro público, sem gerar o ganho efetivo para o país, que é a geração de emprego e renda. “As empresas, denominadas “campeãs nacionais, priorizadas pelo BNDES, foram beneficiadas com o dinheiro do povo brasileiro, retirado do fundo de amparo ao trabalhador. Hoje, essas empresas e seus representantes encontram-se em delação premiada, acordos de leniência e/ou recuperação judicial, enquanto os cidadãos se sacrificam para sair de uma de suas maiores crises, com cerca de 400 mil desempregados.

Imagem: Alexandre Motta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

O que deseja encontrar?